sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

O tempo não para!

E o Carnaval se foi como veio, rápido demais...não imaginava conseguir passar esses cinco dias de folia enfurnada em trabalho, o que o desespero não faz viu, ou melhor fez comigo, passei esses dias todos sem farrear (rsrs) e nem senti tanta falta...Dia desses ouvi o CD em que o ator Daniel Oliveira gravou quando fez o filme Cazuza...e fiquei anestesiada ao ouvir uma narração do ator sobre um texto que o astro escreveu, diz assim:

Os ignorantes são mais felizes, eles não sabem quando vão morrer
Eu não! Eu sei que eu tenho um encontro marcado
As pessoas esquecem o que precisam fazer
Eu não posso me dar esse luxo
Faço tudo caber nos próximos poucos dias

Todas as idéias que eu teria,
As pessoas que eu conheceria,
O que eu ainda fosse cantar
Estou grávido mas não posso esperar

O tempo não para e a gente ainda passa correndo
Eu fiquei aqui tentando agarrar o que eu puder
Ando fraco
Tem um mundo ao redor que a gente nem percebe

Tô ficando magro e pequeno pr’as minhas roupas
Sinto que estou reunindo as minhas coisinhas, me concentrando
Se eu pudesse guardava tudo numa garrafa e bebia de uma vez

Penso no que vai ficar de mim
Eu só sei insistir

Esse texto me faz refletir muito sobre a vida...principalmente quando ele diz: “O tempo não para e a gente ainda passa correndo”.
Tenho vivido assim...uma correria tão grande que não me deixo mais apreciar a vida acontecendo lá fora...como citei num post anterior.
Ando com a mente atormentada e atribulada por tanta responsabilidade. “Abandonei” por um período as festas e os amigos. Estou cada dia mais impaciente...até em casa tem sido assim.
Dialogar à noite comigo tornou-se algo complicado. Não tenho tempo para bater papos longos com a família antes de dormir como fazia antes.
Essa pressão profissional está me sufocando. O prazo que me foi estipulado para resolver tudo está cada vez mais curto. Às vezes sinto como se tivesse presa em uma das armadilhas de Jigsaw, o tal psicopata dos filmes Jogos Mortais, onde só terei liberdade após a conclusão do trabalho, hehehe...sinistro isso, mas, é como se minha mente estivesse trabalhando 48 horas por dia.
Vez ou outra acordo no meio da noite, ligo o computador e me ponho a trabalhar. E o pior que isso passou a ser tão comum que nem percebi. Outro dia comecei a trabalhar por volta das oito da noite e quando me dei conta já eram 02 da madrugada. Afff...confesso que nesse dia fiquei assustada...afinal desde os tempos de facul não fazia isso.
Ah a facul! Verdade, lembro-me que adorava estudar de madrugada...parecia que tinha o silêncio do mundo inteiro ao meu dispor naquele momento. Embora só conseguisse estudar ouvindo música, era prazeroso.
Só que hoje não! Hoje esse silêncio que vem me acompanhar nas madrugadas em que estou trabalhando, é um silêncio que fala e fala alto, me inquieta e me perturba porque não posso errar. Sou uma profissional agora..e o peso disso é bem grande, é o teu nome que é posto em cheque a qualquer erro que seja.
É a tal coisa, se der certo, você não fez mais que a sua obrigação...Se der errado, a culpa a sua e de mais ninguém.
Sei que a minha hora está chegando...como contadora tenho até o final do mês de março para apresentar meu trabalho.
Ai ai..vamo que vamo porque o tempo não para!

♪ Leve desespero – CAPITAL INICIAL.

2 comentários:

Ryan disse...

Sei muito bem do que você fala minha querida amiga de trabalho. Contabilidade é uma grande arapuca, deve-se tomar muito cuidado. Mas, mesmo assim, não aconcelho-te trabalhar de madrugada! Vamos que vamos em nossos relatórios, nossas classificações contábeis, nossas contas ativo/passivo, oiuhsuhsoiushiuh, nossos queridos calculos de impostos assim como aqueles malditos erros críticos que geralmente aparecem no final do mês ao passar o famoso SINTEGRA! ¬¬ Espero que tire um pouco mais de tempo para você, isso é muito importante.


bj

Lu disse...

Ai esse SINTEGRA acaba com qualquer humor, rsrsrs.

Obrigada Ryan.

Bjs.