quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Quer um romance? Compra um livro.

Ah! Estou assim...se a menor paciência para relacionamentos sérios.
Ultimamente quase todo o meu tempo tem sido preenchido pelo trabalho. Não faço outra coisa a não ser trabalhar.
Sei que não deveria, mas, não tenho opção agora. Tenho sim, um prazo a cumprir e não posso falhar.
E como a internet tem sido mesmo o cupido do século XXI.
Dias atrás um anônimo me adicionou no MSN. A princípio aceitei afinal sempre é bom fazer novos amigos.
Conversamos algumas vezes, descobrimos algumas afinidades..ele me convidou pra sair. De primeira, disse que não poderia, estava atribulada com o trabalho e ainda estou. Ele entendeu...ou pelo menos foi o que disse.
E assim passaram-se algumas semanas...trocamos alguns e-mails. Ele insistia em me conhecer pessoalmente...até que um dia, fizemos o aniversário de um amigo numa pizzaria e depois pra não perder o costume iríamos para balada.
Marquei com ele lá. Nunca havia o visto pessoalmente, apenas por meio da foto na janelinha do bate papo. Ele parecia interessante.
E de fato, era mesmo. Conversamos bastante nesse dia, foi a primeira vez que saí nesse período de sufoco no trampo e não me arrependi de não estar em casa trabalhando ao invés de perder meu precioso tempo nas baladas.
Trocamos alguns beijos e decidimos nos ver novamente outro dia, com mais calma, num lugar menos agitado...um restaurante de minha preferência.
Nosso próximo encontro aconteceu depois de uns quinze dias, tive umas semanas bem complicadas no trabalho.
Chegado o dia. Mais uma vez conversamos muito sobre tudo: nossas vidas, famílias, carreira, enfim.
Na verdade, quase discutimos quando ele me pediu em namoro e eu disse não por conta da falta de tempo pra relações sérias no momento.
Ele ficou meio bravo e disse que eu não deveria dar prioridade ao trabalho, como tenho feito.
É, eu sei que tenho esquecido de mim nesses últimos meses. Mas ele nem ao menos sabe o peso da responsabilidade que carrego.
Tenho um nome e um emprego a zelar. Não consigo ser metade no que faço. Quando me empenho a fazer algo, quero sempre o melhor resultado possível.
Mas também deixei claro que não vou viver assim a vida toda..tenho um prazo a cumprir e ele está se esgotando. Depois poderei respirar aliviada e até a namorá-lo, quem sabe.
Fiquei decepcionada por ele não ter entendido....

Ah tá bom, você quer um romance agora???
Então compra um livro.

2 comentários:

"o poeta da verdade" disse...

A correria do dia a dia travou o meu tempo , mas hj deixei "o tal tempo" de lado e vim visitar minha amiga das palavras. Pelo visto rsrs tem novidade no ar. Sinto por vc amiga "Lu" ante a falta de paciência da outra parte. Muitas vezes queremos acelerar muitas coisas e esquecemos que a outra parte que está envolvida, não segue da mesma forma. Neste caso ele deveria ser mais sutil e compreensivo, uma vez que era sabido que vc nao fugiria para parte alguma e o precoce encontro é pra isto , ou seja, ir lentamente para descobrir a outra parte necessaria. Tenho fé que isto irá mudar nobre amiga e o atropelo do fulano se chama "a energia do fazer bem". Quando ocorre isto esquecemos de segurar a euforia e por fim ... Bom é isto e sucesso na sua caminhada amiga araiana insistente, mas lembre "pra cada decisao de momento existe um caminho a surgir"...fica com DEUS e desculpe a demora , mas este mês não está sendo fácil pra mim de maneira alguma , inteh!

Bia Pontes disse...

hehehehehe
Ótimo post, Lu!
Quantos desencontros não? Mas tudo na vida são escolhas. Para tomar um caminho, precisamos quase sempre, abandonar o outro. Algumas vezes, estes caminhos podem ser paralelos, e não opostos. Mas para isso... ah, é preciso querer muito!
beijão, obrigada pela presença e pelo carinho!

obs. Quanto à sua dúvida sobre as minhas respostas ao questionário... sabe que nem eu mesma sei ao certo ainda? A única resposta da qual tenho certeza, é da minha pergunta favorita, a última. A resposta seria: "Agora você vai entender." rs
beijoooo.